MENU

A fórmula da felicidade – por Mo Gawdat

postado em

Engenheiro do Google apresenta a equação para o bem-estar e a alegria duradoura que serve de base para seu livro

 

Quando eu estava no fundo do poço, em 2001, compreendi que jamais iria recuperar a felicidade que era minha por direito se ao menos não soubesse o que estava procurando. Então, como engenheiro, comecei a desenvolver um processo simples de juntar os dados que precisava para determinar o que me fazia feliz. Primeiro, no entanto, hesitei porque a técnica era tão simples que parecia quase infantil. Mas então me ocorreu: se nosso modelo de configuração-padrão da felicidade humana é o bebê ou a criança pequena, talvez “infantil” ou “pueril” não seja uma coisa assim tão má.

Comecei simplesmente documentando cada ocasião em que me sentia feliz. Chamei isso de minha Lista Feliz. Você pode fazer a mesma coisa. De fato, por que não dar uma pausa agora mesmo, pegar papel e lápis e anotar algumas das coisas que o fazem feliz. Em termos de tarefas, essa não é muito difícil. A lista pode ser apenas uma curta sucessão de frases que vão direto ao ponto e completam a sentença abaixo:

“Eu me sinto feliz quando ____________________.”

Não seja tímido. Não há motivo para ser sentir inibido porque ninguém jamais precisa ver a sua lista. Você pode incluir as coisas óbvias, como coçar o pescoço do seu cachorro ou ver um lindo pôr do sol, e coisas simples como conversar com seus amigos ou comer ovos mexidos. Não existem respostas erradas. Escreva tantas quantas você consiga lembrar.

Quando terminar, pelo menos como um primeiro passo, volte e sublinhe alguns tópicos que, se você fosse obrigado a estabelecer prioridades, estariam no topo da lista das coisas que o fazem mais feliz. Esta lista de prioridades será muito útil em nossas discussões mais adiante.

Aqui vão algumas boas notícias: o próprio ato de criar sua Lista Feliz já é uma experiência muito boa, tanto que, quando você terminar, deverá sentir-se revigorado e animado. Eu trabalho na minha lista pelo menos uma vez por semana, acrescentando coisas novas. Não só isso me faz sorrir, mas me ajuda a cultivar algo que os psicólogos dizem que contribui para a felicidade a longo prazo: uma atitude de gratidão, que ocorre quando você reconhece a verdade a respeito da nossa vida moderna e o fato de que existem muitos motivos para ser feliz, afinal de contas.

Então vá em frente e divirta-se. Vou fazer um café e esperar por você. (Por falar nisso, eu me sinto feliz quando tomo uma xícara de café com toda a calma!)

 

A equação da felicidade

Meu palpite é que sua lista consistiu quase inteiramente de momentos comuns da vida − um sorriso no rosto do seu filho, o aroma de café quente de manhã, coisas que acontecem todo dia.

Então qual é o problema? Se o que provoca momentos felizes é tão comum e acessível, por que “encontrar” felicidade continua sendo um desafio tão grande para tanta gente? E por que, quando nós a “encontramos”, ela desaparece com tanta facilidade?

Quando engenheiros se deparam com um conjunto de dados brutos, a primeira coisa que fazemos é formar um diagrama com eles e tentar achar uma linha tendencial. Então vamos aplicar isso à nossa Lista Feliz e encontrar o padrão comum entre os diferentes exemplos de felicidade citados nela. Você consegue enxergar a tendência?

Os momentos que o deixam feliz podem ser muito diferentes dos momentos que me deixam feliz, mas a maioria das listas vai convergir para a seguinte proposição: a felicidade ocorre quando a vida parece estar indo do seu jeito. Você se sente feliz quando a vida se comporta do jeito que você quer que ela se comporte.

Obviamente, o oposto também é verdadeiro: a infelicidade ocorre quando a sua realidade não corresponde às suas expectativas. Quando você espera que faça sol no dia do seu casamento, uma chuva inesperada representa uma traição cósmica. A sua infelicidade com essa traição pode durar para sempre, esperando para ser revivida sempre que você se sentir triste ou zangado com seu cônjuge. “Eu devia ter desconfiado! Choveu no dia do nosso casamento!”

A forma mais fácil para um engenheiro expressar essa definição de felicidade é numa equação: a Fórmula da Felicidade.

A vida não prega peças; ela é apenas dura, às vezes. Mas mesmo então nós temos duas escolhas: ou fazemos o melhor que podemos, aceitamos a dor e interrompemos o sofrimento, ou sofremos. Qualquer que seja a escolha, a vida ainda será dura.

Não se esqueça disso. Você sabe o que fazer. Agora vou mostrar como fazer.

Trecho editado do primeiro capítulo do livro A fórmula da felicidade, de Mo Gawdat (LeYa).

 


 

Mo Gawdat é diretor de negócios do Google [X]. Nos últimos dez anos, ele fez da felicidade o seu principal tópico de pesquisa, mergulhando profundamente na literatura existente e conversando sobre o assunto com milhares de pessoas em mais de uma centena de países. É empreendedor e cofundador de mais de 20 negócios. Fala árabe, inglês e alemão. Em 2014 começou a escrever o livro A fórmula da felicidade, que já conquistou milhares de leitores e adeptos em mais de 20 países em todo o mundo.