MENU

6 livros para pensar os tempos atuais

postado em

O Brasil vem enfrentando um momento político e social intenso, com discussões mais acaloradas dia após dia. Em momentos como estes, os livros se tornam ferramentas ainda mais fundamentais. Pensando nisso, selecionamos uma lista com obras que, apostando no diálogo e na diversidade, estimulam o senso crítico e o debate. Boa leitura!

1 – O espetáculo da corrupção

Walfrido Warde

Um livro sobre como combater a corrupção sem destruir o país. Em O espetáculo da corrupção, o advogado Walfrido Warde radiografa os efeitos devastadores dos crimes de colarinho branco no Brasil e analisa os equívocos do sistema criado para enfrentar a roubalheira. Ele explica que não precisamos destruir o capitalismo brasileiro para combater a corrupção, não precisamos destruir as empresas para punir os empresários corruptos e tampouco precisamos destruir a política para prender os políticos corruptos. É uma obra para corajosos: ao mesmo tempo contra a imoralidade e contra o moralismo barato.

2 – Guia politicamente correto da política brasileira

Rodrigo da Silva

Guia politicamente incorreto da política brasileira, do jornalista Rodrigo da Silva, é um livro que radiografa, critica e ironiza o exercício de poder no Brasil – um país que tem o surrealismo como regime de governo. Como o autor ressalta na introdução, não se trata de uma obra para a direita ou a esquerda, para coxinhas ou mortadelas: é uma leitura voltada a todos aqueles que já se deram conta de que há algo fora do lugar na política brasileira e entenderam que nossos problemas são assustadoramente mais complexos do que projetam os palanques. Nas palavras de Pedro Bial, que assina o prefácio, “este guia é corretíssimo, incorreta é a realidade aqui descrita”.

 

3 -Ditadura à brasileira

Marco Antonio Villa

Mais de cinquenta anos após o Golpe Militar, Marco Antonio Villa apresenta um estudo fundamental para quem quer entender – e questionar – as peculiaridades do regime instaurado após o golpe de 1964. Com seu estilo coloquial, direto e despojado, Villa agora desmistifica a ditadura brasileira, tanto em sua duração quanto em seus efeitos. Narra em seu livro a história desse período de maneira simples e objetiva, com o intuito de ser claro e transparente. Sem se omitir quanto aos excessos que levaram à perseguição, tortura e morte no período entre o final de 1968 e 1979, para ele, porém, “o regime militar brasileiro não foi uma ditadura de 21 anos”.

4 – Todos contra todos

Leandro Karnal

Um livro polêmico, provocativo e instigante, que afirma que o ódio é um dos espelhos mais poderosos para olharmos o nosso próprio rosto. Que a maldade é tão próxima do ódio quanto da inveja. Em tempos de coxinhas contra petralhas, xenófobos, misóginos e homofóbicos, Leandro Karnal mostra que a história e a realidade revelam um lado sombrio do brasileiro que costumamos não reconhecer: somos violentos no trânsito, nas ruas, nos comentários das redes sociais e fofocas nas esquinas; somos violentos ao torcer por nosso time e ao votar; somos violentos cotidianamente.

5 – A elite do atraso

Jessé Souza

Numa época em que a questão das desigualdades racial e social estão, mais do que nunca, no centro de cena, o sociólogo Jessé Souza escancara o pacto dos donos do poder para perpetuar uma sociedade cruel forjada na escravidão. Esse é o pilar de sustentação de nossa elite, A elite do atraso. Depois da polêmica aberta pela obra A tolice da inteligência brasileira e da contundência exposta em A radiografia do golpe, o autor apresenta uma obra surpreendente, forte, inovadora e crítica na essência, com um texto aguerrido e acessível. Figuras como as do “homem cordial” de Sérgio Buarque de Holanda e do “jeitinho brasileiro” interpretada por Roberto DaMatta sedimentaram a síndrome de vira-lata do brasileiro e a ideia de que a corrupção política é o grande problema nacional.

6 – O mundo que não pensa

Franklin Foer

Quando foi a última vez que você decidiu, por si próprio, o que comprar, que amigo adicionar à sua vida, como passar o seu tempo livre e, principalmente, o que pensar sobre o mundo que vivemos? Escrito pelo jornalista Franklin Foer, O mundo que não pensa, um dos livros mais aclamados e polêmicos dos últimos anos, mostra o lado sombrio e preocupante da tecnologia do nosso cotidiano. Para o autor, estamos terceirizando nossas capacidades intelectuais para empresas como Apple, Google e Facebook, dando origem a um mundo onde a vida social e política passa a ser cada vez mais automatizada e menos diversa.